Contar histórias para engajar



Por Thais Moreira

Contar histórias e despertar sensações é uma das grandes ferramentas utilizadas pelas marcas para buscar o engajamento do público. Isso é storytelling – utilizar recursos narrativosconteúdo qualificado, roteiro elaborado e temáticas encantadoras para envolver comunidades de interesse de forma autênticaA técnica mais conhecida de aplicação é por meio de recursos audiovisuais, mas estratégias textuais também são uma alternativa.  

Na teoria, parece fácil – pensar em uma história, produzi-la e divulgá-la. Na prática, para que o resultado seja satisfatório, é preciso integração de equipes, sinergia com o cliente, ideias pensadas fora da caixa e excelência na execução.  

Acompanhando o movimento de mercado, um dos cases mais emocionantes, recentemente, foi da Airbnb. A startup de hotelaria é especialista em storytelling, contando histórias que impactam nos mais diversos destinos e ambientações que opera. Indo mais a fundo nas culturas locais, a empresa produziu uma série de vídeos em que os hóspedes dividiram suas histórias com o público da marca. O principal objetivo era gerar a identificação com a empresa e despertar o desejo de viajar e viver experiências parecidas.  

E por que não falar em super heróis, considerando as palavras-chave mais buscadas no Google? Foi o que fez a gigante do Vale do Silício, Google, que aproveitou o engajamento dos fãs dos personagens icônicos dos quadrinhos e do cinema, e transformou seus poderes em personagens reais.  

Por fim, uma clássica. A Always, marca de absorventes íntimos, lançou uma ação para mostrar para jovens meninas que falhar é parte do processo de crescimento. Ainda que tenha sido veiculada em 2014, até hoje emociona e serve de inspiração.  

Mas como fazer? Para que o storytelling seja efetivo para uma marca, é preciso considerar algumas questões e seguir passos 

  • Seja pessoal, como se estivesse conversando com o público; 
  • Busque histórias que despertem alegria, empatia, surpresa, esperança e empolgação; 
  • Aposte no entretenimento, mas não esqueça do serviço que presta; 
  • Saiba qual o limite de sua marca para não passar uma ideia errada ao seu cliente – uma história incrível, mas inalcançável, pode ser furada; 
  • Identifique qual a melhor maneira de explorar o conteúdo da sua marca; 
  • Trace um objetivo a ser alcançado com a narrativa, entendendo que o storytelling está intrinsecamente ligado ao funil de vendas.  

Por fim, o storytelling ajuda a agregar valor às marcas, gerar confiança e engajar o público que busca por produtos e empresas que apresentam um propósito com sua comunicação. Apostar no storytelling é apostar na proximidade com o público que deseja atingir. 


Ao acessar este site, cookies são utilizados para melhorar sua experiência online e para analisar o nosso tráfego. Ao continuar você concorda com estas condições. Para mais informações acesse nossa Política de Privacidade.