A sua gestão impulsiona ou sabota a sua equipe?



Por Rafael Paes Leme

Você já deve ter lido diversas abordagens sobre a diferença entre um chefe e um líder, mas ainda assim acho um assunto que vale a pena ser abordado. Um gestor tem o poder de impulsionar ou sabotar a equipe e, muitas vezes, nem se dá conta disso. Esse artigo explora o tema por uma ótica mais prática e direta, sem “misturar idiomas” e sem passar uma falsa sensação de conhecimento de mercado.

Não poderia começar antes de agradecer aos grandes líderes que eu tive e tenho no meu caminho, cada um com características únicas que me ajudaram a construir minha visão atual sobre gestão.

Agora, vamos ao que interessa! Alguns pontos com os quais um gestor deve se preocupar se quiser ser visto como um líder:

NÃO ESTERIOTIPE O SEU COLABORADOR

Muitos gestores pecam logo de cara e confundem essa questão básica. Uma coisa é você conhecer os pontos fortes do seu colaborador e mapear o que precisa ser evoluído; outra é estereotipá-lo. Tive a experiência de escutar, assim que assumi uma equipe, que um colaborador era “ótimo para fazer trabalhos ‘fun’, mas se precisasse de algo mais sofisticado, seria melhor demandar a outra pessoa”. Tenho orgulho em dizer que tempos depois todos enxergaram o profissional completo que ele era, porque na verdade tudo que precisava era de confiança, orientação e autonomia. Afinal, não tem como se aprimorar em algo sem ter a chance de treiná-lo.

RESPEITE AS DIFERENÇAS

Respeite as características das pessoas, afinal cada um é de um jeito e deve ser tratado da maneira que fique confortável para evoluir. Você não pode querer dar o palco para uma pessoa tímida (a não ser que ela queira ser desenvolvida para isso), muito menos um cantinho confortável para aquele que precisa de um palco. Aprenda a conhecer as peculiaridades de cada integrante do seu time.

SEJA UM LÍDER ATIVO

Muitas pessoas quando chegam no cargo de gestão acabam ficando acomodadas. Fique atento para que isso não te impacte. Além de deixar de evoluir, certamente seu time irá se envolver e acreditar no projeto muito mais se o seu gestor estiver no campo de batalha ao lado deles. Sempre antes de pedir para um colaborador esticar o horário, reflita: eu poderia assumir nesse momento para que quando realmente for necessário eu tenha aquele(a) guerreiro(a) comigo?

ERRE JUNTO, ACERTE JUNTO

Aqui está um ponto delicado. Nada vai fazer com que você perca mais a confiança do seu time do que ser oportunista nas vitórias e covarde nas derrotas. Eu costumo ter para mim que na derrota o gestor deve sempre tomar o primeiro golpe. É preciso levar o problema para equipe, sim, porque nos erros aprendemos muito mais do que nos acertos, mas sempre juntos. Quando possível, dê luz às conquistas do seu time, e não se preocupe: todos sabem que você tem mérito, afinal, quem pilota esse time é você. Controle o seu ego e seja líder de um time vencedor.

CRITIQUE NO PRIVADO, ELOGIE EM PÚBLICO

Isso é básico. Uma crítica em público só serve para reforçar o quanto você não sabe lidar com o seu time. Além de expor o colaborador, mostra falta de sincronia e confiança. Lave a roupa suja sempre dentro de casa. Nunca deixe seu colaborador exposto na frente de clientes ou até mesmo de outros colaboradores – não tem sentido minar a confiança dele. Por outro lado, não deixe de elogiar os seus colaboradores na frente de todos, inclusive dos clientes. Essa atitude vai melhor a confiança de ambos sobre o trabalho feito.

NÃO TENHA EGO, MAS CONFIE NO SEU EU

Como já dizia Caetano Veloso: “…essa palavra ego é intelectualmente mal definida… essa palavra ego é uma palavra latina, que o FREUD nunca usou na vida dele, foram os tradutores que meteram esse negócio, ela usava o EU…”

Não seja um líder prepotente, mas saiba que você tem mérito para estar na posição em que está. Seja confiante nas suas ideias e decisões. Ninguém gosta de seguir nem se espelhar em alguém que aparenta não saber o que está fazendo.

NÃO SEJA INSEGURO

Esse é o tópico mais importante desse artigo, por isso quis deixá-lo para o final. Tenha segurança na sua gestão: entenda que você não está competindo com os seus colaboradores, você já esteve no lugar deles e se o seu gestor não tivesse acreditado no seu potencial e não tivesse te dados o espaço necessário, certamente você não estaria onde está. Não menospreze as suas vitórias e jamais receba os méritos sozinho.

Por fim, entenda de uma vez por todas: você só será o melhor gestor possível se o seu colaborador tiver uma carreira mais brilhantes que a sua.

Rafael Paes Leme é formado em Design pela Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo (SP). Tem cinco anos de experiência como Diretor de Criação e atualmente ocupa o cargo na agência MAPA360, onde atua desde 2018.